27 de abr de 2008

can I play with madness?

"..E naquela mesa vazia, com quatro pessoas inteiras, e os copos pela metade, se sentiu completa. Talvez ela só quisesse um gole, a garrafa foi útil, sua única ajuda.
Passados alguns minutos do ocorrido, lá estava ela de novo, sozinha, assustada, como antes da chegada. Sim, ela estava sozinha, e estava cada vez mais forte, mesmo sendo tão fraca(...)

A noite chegou, os dias eram todos feitos de noite. Ela comia e bebia de esperanças. O fato era que agora, uma batalha interna era travada: devia se deixar levar por sua natureza ou continuar acreditanto nos seus ideais de comportamento e caráter? O seu dom para machucar era forte, e o grau da confusão em que se encontrava, era altissímo.
Escutara por aí, que algumas pessoas, são incapazes de serem felizes, mas por outro lado, conseguem sempre o que desejam. Ou seja, o suficiente para satisfaze-las. Ela sempre soube que o mal vem de dentro, e o bem é só um conceito. Entretanto, sempre se pode recusar. Recusar mesmo querendo?


Uma luta diária para resistir aos impulsos.
E quem resiste a vida inteira?"

1 Comentários:

Anonymous Thiago Mendoka disse...

Você deve achar posts alegres menos interessantes.
Eu já prefiro ver posts que dizem como foi a vida da pessoa hoje, e que ela tá legals, tá bem e blá blá blá... Não gosto mais de ver posts reflexivos, acho. Dá uma angústia... Principalmente quando eu não entendo lhufas... :oS

Enfim... Eu amo você, to com saudades de ver essa sua cara de sei lá o que.
Vê se se cuida, apesar de você não precisar tanto. Cê é gostosa, se vira bem... XoD

Wooowwwww... /o/
Tchau!
:oD

2 de maio de 2008 13:13  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial